Início São João del-Rei Lendas Agenda Cultural Parceiros Vídeos Contato
 
Página inicial Lendas São Joanenses!
 
  Homenagem
do Mês
 
  Quem Somos
 
  Conheça São
João del-Rei
 
  Conheça
Nossas Lendas
 
  Agenda
Cultural
 
  Parceiros
 
  Vídeos
 
Casa do Barão de São João del Rei
 

Rua Padre José Maria Xavier, antiga Rua da Prata, nº 174

N° do Processo de Tombamento Individual pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Cultural: 034/2000

Decreto Municipal: 2763

Elegante sobrado cuja construção remonta ao século XIX, é atualmente utilizado como Delegacia de Ensino e Delegacia Fiscal de Minas Gerais.

Uma das mais antigas ruas de São João del-Rei, a Rua Padre José Maria Xavier era também uma das principais da cidade. Ela fazia a ligação do Morro da Forca (atual bairro Bonfim – uma das principais entradas da cidade à época colonial) com o Largo do Rosário (atual Praça Embaixador Gastão da Cunha), região esta que abrigava importante estrato social e religioso da cidade. Atualmente, tal rua continua sendo de grande importância para a cidade, uma vez que é uma das ruas onde mais se preservou os antigos casarios são-joanenses. A antiga sede da 34ª Superintendência Regional de Ensino de São João del-Rei ocupou, até o início do ano de 2010, um dos mais valiosos sobrados históricos da cidade, construído no século XIX e pertencente ao Barão de São João del-Rei, Dr. Eduardo Pereira da Silva. No sobrado teria hospedado D. Pedro II, quando veio a São João del-Rei inaugurar a Estrada de Ferro Oeste de Minas, em 28 de agosto de 1881.

Segundo o livro “Efemérides de São João del-Rei”, de Sebastião de Oliveira Cintra, o imóvel pertenceu aos ancestrais do Barão desde seu avô, Dr. Gomes da Silva Pereira, passando em seguida para o comendador Dr. Francisco Joaquim de Araújo Pereira da Silva, pai do Barão e, com sua morte, para o Barão.

O prédio situa-se a poucos metros da Praça onde se localiza a Igreja de São Francisco de Assis. Nos fundos do prédio foi construído o Conservatório Estadual de Música Padre José Maria Xavier. A entrada do Conservatório localiza-se ao lado direito do prédio analisado. Ao lado esquerdo do prédio, localiza-se a casa onde nasceu Bárbara Heliodora e que atualmente abriga o Museu Tomé Portes del-Rei, que foi revitalizado e inaugurado em 2010. Aos fundos desta edificação encontra-se a Biblioteca Municipal Baptista Caetano.

Segundo o relator do Processo de Tombamento Municipal da edificação, o imóvel passou por diversas reformas que o descaracterizaram como a substituição dos forros de madeira em “saia e camisa” com arremate de molduras frisadas, por forros de friso comum. Quando houve a construção do prédio para o Conservatório Estadual de Música, uma parte do imóvel foi demolida. Esta parte era a lateral esquerda do prédio e tinha como via de acesso ao segundo pavimento uma escada de ferro com guarda-corpo de ferro. Nesta parte ficava situada a cozinha, dispensa e instalações sanitárias da casa principal. Nos fundos de todo o imóvel havia pomar e horta que confrontava-se com o Córrego do Rio Acima, local onde foi construído o prédio do supracitado Conservatório.

No Cadastro Imobiliário da Prefeitura Municipal consta que, em 1920, o imóvel ainda era de propriedade dos herdeiros do Barão de São João del-Rei. Posteriormente, o imóvel foi alugado para famílias e, mais tarde, adquirido pelo Governo do Estado de Minas Gerais para a construção do Conservatório. Porém, resolveu-se construir um prédio nos fundos do terreno para sua instalação. A local, antigamente, funcionou tendo no primeiro pavimento a Superintendência e, no segundo, a Receita Federal. Quando esta mudou suas instalações, a Superintendência passou a ocupar os dois andares. Em 1997 houve uma reforma no telhado e, em 1999, serviu de cenário para as filmagens de “Amor & Cia.”. Ainda existem pinturas nas paredes do prédio, feitas para a gravação do filme.

O prédio, em estilo colonial, possui planta irregular, inserida em terreno plano no nível da rua e tem ligação direta com a mesma. Sua cobertura possui várias águas, telhado em telha cerâmica capa e bica, com beiral simples e beira seveira. A fachada frontal possui, no primeiro pavimento, uma porta e seis janelas em arco abatido com sobreverga de argamassa, moldura em madeira e guilhotina. Nas laterais da fachada existem colunas no estilo dórico com base de pedra. As portas do pavimento superior possuem sacadas e guarda corpo em ferro forjado. A correspondência entre os vãos dos dois pavimentos é simétrica e a fachada possui ritmo entre cheios e vazios. O acesso ao segundo pavimento é feito no interior da edificação, através de uma escada de madeira com corrimão também de madeira. Internamente, a edificação possui revestimento de pintura, forro de madeira e piso em tábua corrida.